BLOG COOPERFORTE
  • Atualidades

Publicado em Atualidades , dia 25 de maio de 2015

Na internet todo mundo tem voz. Mas o que diz, aí é outra coisa…

Por: Cooperforte

topo_internet

Antigamente, quando alguém duvidava de algo que estava escrito, era muito comum dizer “papel aceita tudo!”. Trazido para a modernidade, este ditado popular cresce um pouco: “se papel aceita tudo, imagine a internet…”

Estes pensamentos são bastante sábios, pois significam que nem tudo o que se lê, assiste e ouve é realmente, ou inteiramente, verdade. Em relação à internet, então – que hoje possibilita a todo mundo expressar livremente o que pensa, imagina e deseja -, é preciso ter mais cuidado ainda. Afinal, não são raros os casos de atrocidades que foram cometidas simplesmente porque pessoas agiram influenciadas pelo que, levianamente, foi publicado nas redes sociais.

Isto mostra como é importante ser responsável ao publicar nas redes sociais, pois ninguém sabe ao certo nem o alcance nem os efeitos das mensagens. Quem deseja viver em um mundo melhor é cuidadoso na escolha do que veicula, evitando difundir qualquer material que compartilhe discriminação e preconceito, ou estimule a violência e comportamentos destrutivos.

A internet é uma criação tecnológica de valor inestimável. Modificou o mundo de tal forma que há quem agora divide a história da humanidade em duas eras: A.I. (antes da internet) e D.I. (depois da internet). Trouxe os benefícios democráticos incalculáveis, que vão desde o registro, a disponibilização, a difusão e o compartilhamento de todo tipo de conhecimento até a expressão dos mais profundos sentimentos individuais.

Com a internet todo mundo tem presença e voz e, virtualmente, pode ir e ser visto em todas as partes do planeta.Basta ter à mão algum aparelho ligado à rede mundial de computadores. Desde então, palavras e imagens não têm mais fronteiras, chegam aos mais remotos lugares. Por isto, mais do que nunca, é preciso ter consciência e responsabilidade.

Para saber mais sobre este assunto, leia também: Selfie: este autorretrato pode mostrar  o que você não quer ver