BLOG COOPERFORTE
  • Cooperativismo

Publicado em Cooperativismo , dia 11 de maio de 2015

Theodor Amstad, o patrono do Cooperativismo brasileiro

Por: Cooperforte

topo_amstad

Você sabe quem foi Theodor Amstad? Provavelmente não, pois este nome é desconhecido pela grande maioria dos brasileiros, apesar de sua importância no cooperativismo nacional. Afinal, foi o padre Theodor Amstad que criou a primeira cooperativa de crédito brasileira em 1902! A criação se deu no interior do Rio Grande do Sul, em Nova Petrópolis. Apenas dois anos após a criação da primeira cooperativa de crédito das Américas, em Quebec, no Canadá.

Padre Amstad era suíço e chegou ao Rio Grande do Sul em 1885. Ele se tornou bastante conhecido ao percorrer as diversas regiões de colonização alemã, montado em um burro, para dar assistência à população local. Dizem que nesta missão ele pode ter percorrido até 80 mil quilômetros.

Amstad incentivou a prática do associativismo como alternativa para os colonos solucionarem suas dificuldades e, como resultado, nasceu em 1912 a Sociedade União Popular do Rio Grande do Sul – Volksverein, ainda hoje atuante com o nome Associação Theodor Amstad. Além disto tudo, fundou duas cidades: Nova Petrópolis e Acaí.

O pioneiro padre Amstad faleceu em 1918. Quinze anos antes, em 1903, logo após criar a cooperativa de Nova Petrópolis, elaborou as primeiras diretrizes para a construção de cooperativas em nosso país. Tão fundamentadas e pioneiras eram estas diretrizes que serviram de base para a primeira legislação sobre o cooperativismo, editada pelo governo federal em 1907.

Conheça, no vídeo abaixo, a Praça Theodor Amstad, com a qual Nova Petrópolis homenageia o seu fundador.

 

  • Cooperativismo

Publicado em Cooperativismo , dia 13 de abril de 2015

Bibliotroca: compartilhando conhecimento

Por: Cooperforte

topo_biblio

Proposta de sustentabilidade nas escolas Brasil afora, a bibliotroca proporciona que livros sejam revezados entre os alunos, economizando dinheiro e novas impressões. O reaproveitamento dos livros pode alcançar economia de até mil reais na compra deste item do material escolar.

O mecanismo da bibliotroca é simples: os livros usados pelos alunos de uma série servem aos alunos que estarão cursando aquele ano, e os livros de séries adiantadas servem aos alunos das séries anteriores, num círculo virtuoso de compartilhamento, aproveitamento do material já impresso e cuidado com o meio ambiente.

Assim que recebem a lista de material escolar, os pais podem levar os livros que não serão mais usados para trocá-los por aqueles que serão aplicados no ano seguinte. Além de economizar dinheiro, as bibliotrocas são socialmente responsáveis e solidárias, já que livros restantes são doados para instituições de caridade; além da economia ambiental, evitando o uso de mais insumos para impressão de novos livros.

Muitas escolas já informam às famílias dos alunos a possibilidade de trocar os livros usados. Caso a escola do seu filho não disponha da bibliotroca, faça esta sugestão a ela. O compartilhamento do conhecimento educa em todos os aspectos.

  • Atualidades

  • Cooperativismo

  • Novidades

Publicado em Atualidades, Cooperativismo, Novidades , dia 2 de abril de 2015

O que pensa a juventude digital?

Por: Cooperforte

shutterstock_261695411

Nação Hashtag (#). Este é o nome de uma pesquisa feita pela agência Havas Worldwide que buscou mostrar como pensam e vivem jovens entre 16 e 34 anos. Foram consultadas mais de 10 mil pessoas em 29 países.

O estudo mostrou as preferências e diferenças destes #jovens em comparação com a geração da década de 1960. Naquela época, o movimento de contracultura considerava importante se diferenciar e romper com os costumes: ser contra o status quo, vestindo roupas inusitadas, ouvindo músicas consideradas excêntricas vanguardistas e questionando atitudes esperadas até então.

Para o jovem Hashtag, porém, a atração pela rebelião perdeu espaço para o desejo de mexer, customizar, “hackear”, transformar, desconstruir sem destruir. É a geração dos “makers”, ou “fazedores”.

Marcada pelo autodidatismo despertado pela Internet, essa é a geração do “Faça Você Mesmo”, ou DIY (“Do It Yourself”). É possível aprender sozinho a fazer o que quiser, quando quiser – e os jovens aproveitam isso.

Outra diferença notada no estudo são as novas divisões e os novos agrupamentos nesta geração. Agora, os grupos são montados mais pelos interesses e pela forma de se comunicar do que pela faixa etária. Há, por exemplo, grupos de jovens com 25 anos que se juntam a outros, de 15 anos, apenas por um interesse em comum, como um filme ou um jogo específico de computador.

Usar das mesmas ferramentas tecnológicas também faz grande diferença na comunicação desta geração. Isso é relacionado com o novo costume de compartilhar informação. O ato de partilhar o que pensam ou sentem com conhecidos (e estranhos) é cada vez mais frequente, e faz com que os jovens se sintam empoderados.

A cultura pop continua sendo a referência para este grupo: 57% dele se interessa mais pelo que ocorre mundialmente do que pela cultura local. Consomem, então, mais marcas globais do que as nacionais e regionais, e a cultura norte-americana e seus ícones têm grande influência sobre esta geração. Para dialogar com este grupo é importante reconhecer o que ele valoriza e respeitar suas opiniões,incentivando o convívio pacífico com a diversidade das demais gerações, culturas e estilos de vida.

Referência: http://www.prosumer-report.com/blog/category/hashtag-nation/

  • Atualidades

  • Cooperativismo

  • Novidades

Publicado em Atualidades, Cooperativismo, Novidades , dia 30 de março de 2015

O poder das pequenas atitudes

Por: Cooperforte

shutterstock_253195738

O bom humor e as pequenas gentilezas no dia a dia podem mudar e impactar a vida de muitas maneiras. De modo geral, pode parecer que nossos atos são isolados e que não afetam os outros. Mas, na realidade, tudo que fazemos tem reverberações.

O costume de agradecer e cumprimentar pessoas no dia a dia, por exemplo, pode adicionar à rotina o sentimento de vivermos em comunidade, de sermos iguais e importantes, diferentemente do individualismo que predomina o cotidiano. Por outro lado, a rudeza no trato com outros tem impacto negativo sobre eles, e também sobre quem é rude, trazendo mal estar.

Atitude é isso: a maneira que escolhemos para responder a desafios e situações de nossa vida – nossa postura. E diversos aspectos podem influenciar nossas atitudes. Problemas familiares ou no trabalho, noites mal dormidas, e mesmo a alimentação não saudável têm peso em nosso bem-estar e afetam nossas reações. Praticar o “ouvir e pensar antes de agir” pode contribuir para melhorar nossa vida e a vida daqueles que nos cercam.

É preciso lembrar que gentileza gera gentileza – e o oposto também. E ter em mente as palavras do escritor Ralph Waldo Emerson – “suas atitudes falam tão alto que não consigo ouvir o que você diz”.

 

  • Cooperativismo

Publicado em Cooperativismo , dia 25 de março de 2015

Assembleia Geral da Cooperforte. Acompanhe este evento.

Por: Cooperforte

shutterstock_159702611

A Assembleia Geral Ordinária 2015 da Cooperforte ocorre no domingo, 29 de março. O evento é o mais importante do calendário da cooperativa, momento que congrega os delegados representantes dos associados de todo o país para deliberar sobre os assuntos previstos no Edital de convocação da assembleia, divulgado pela cooperativa em seu site e por meio do Jornal Cooperforte Edição nº 70, de março em curso.

Na pauta para deliberação da Assembleia estarão o Relatório do Conselho de Administração e a prestação de contas do exercício de 2014; a destinação de sobras; a Política de Governança Corporativa da Cooperforte, entre outros assuntos.

A Assembleia terá início às 9 horas, e flashes do evento e das decisões do colegiado de delegados poderão ser lidos na página da Cooperforte na internet, em tempo real, acessível por smartphones, tablets ou pelo computador. Acompanhe aqui.

  • Cooperativismo

Publicado em Cooperativismo , dia 11 de março de 2015

Felicidade que se divide, multiplica!

Por: Cooperforte

shutterstock_214076050

Quem é generoso fica feliz ao ver o outro feliz. Mesmo que para isto tenha que abrir mão de algo, adotar uma nova atitude, dar a sua parcela de contribuição para um mundo melhor. E isto está se tornando cada dia mais comum, das mais diversas formas.

Uma delas, bastante praticada, é o presente solidário. Nela, o presente, que tradicionalmente iria para a pessoa aniversariante ou homenageada, é substituído por doações que serão encaminhadas para obras assistenciais, creches solidárias ou projetos de desenvolvimento social. Fraldas descartáveis, latas de leite em pó, cestas básicas, alimentos não perecíveis, medicamentos, produtos de limpeza e higiene, brinquedos e livros.

Tem gente que pede até sangue. Isto mesmo: doação de sangue, para aumentar o estoque dos hemocentros.

Quem opta pelo presente solidário, duplica a festa. Além daquela em que os convidados levam os presentes para o homenageado, uma outra é a preparação e entrega do material arrecadado à entidade escolhida. Na verdade, o que acontece neste momento é uma troca de presentes, ou seja, o material entregue é trocado por sorrisos e olhares de gratidão. E todo mundo fica feliz.

Um dos exemplos mais significativos do presente solidário conta uma história de superação e amor, que terminou com final inusitado e  muito feliz: casamento no Hemocentro de Brasília, que você pode ler clicando aqui.

E por falar em doação de sangue, leia também Solidariedade: da veia ao coração.

  • Cooperativismo

Publicado em Cooperativismo , dia 28 de janeiro de 2015

“Dez Mandamentos” para um mundo melhor

Por: Cooperforte

blog_cooperforte_mandamentos_cooperativismo

2015, segundo a Organização das Nações Unidas – ONU é o Ano Internacional da Luz. Este título pode ter diversas interpretações além daquela que recomenda o uso racional da energia elétrica. Algumas, inclusive, bastante subjetivas, mas muito importantes para orientar o caminho a ser percorrido ao longo dos meses para, no fim do ano, ter os projetos pessoais e profissionais realizados.

Ninguém duvida que quanto maior for a harmonia entre os valores pessoais e as exigências externas, mais fácil e feliz será alcançar os objetivos desejados. Por isto, são alguns mandamentos muito úteis para, com o aprimoramento pessoal, contribuir para a construção de um mundo melhor:

 

I. Seja simples, de alma pura – O tempo passa, a gente cresce, mas, em essência, nunca abandona a alma de criança. Que tal utilizá-la para olhar o mundo, entender os acontecimentos e caminhar rumo à felicidade?

II. Partilhe e conte com o outro – Dar conta do recado sozinho tem muitos méritos, mas nem sempre é o melhor. Partilhe suas alegrias e preocupações e peça ajuda quando for necessário. Tudo fica mais fácil e mais leve.

III. Se ame e se cuide – “Quando a gente ama, é claro que a gente cuida”, ensina a música. Atenda a este recado, cuidando do corpo e da mente, com alimentação saudável, exercícios físicos, lazer e boas companhias.

IV. Crie, faça e aconteça – Ser dinâmico e produzir sempre é meio caminho andado para colher realizações. A cada conquista, almeje outra, maior ainda do que a alcançada. Quanto maior o sonho, maior a energia…

V. Não deixe para amanhã – Adiar iniciativas importantes é empurrar com a barriga algo que não pode ser postergado. Por isso, tome decisões e atitudes no tempo certo, otimizando o tempo e evitando desgastes.

VI. Seja correto – Tanto nas mínimas coisas quanto naquelas de maior visibilidade, seja ético, pois o que é  conquistado desta forma aumenta a dignidade e não vai causar vergonha ou constrangimento quando for descoberto.

VII. Coopere com a cidadania – Por menos que pareça, são as atitudes individuais, que somadas viram coletivas, que ditam os destinos da sociedade. Por isto, seja uma pessoa do bem, agindo e contribuindo para o bem comum.

VIII. Colabore e seja voluntário – Por natureza, de alguma forma todo mundo tem a ter desejo de ajudar o semelhante. Então, não perca a oportunidade de ser voluntário, colaborando para as grandes ou pequenas causas.

IX. Cuide do planeta – Quanto seus hábitos cotidianos e estilo de vida custam à natureza? Para ficar tranquilo com a resposta, reveja suas necessidades e pratique o consumo consciente. Afinal, nem tudo neste mundo é renovável.

X. Cultive e espalhe o alto-astral – Este “mandamento” sintetiza todos os demais e pode ser dito em uma única frase: quem planta e cultiva sementes de gentileza, responsabilidade, ética, cidadania, esperança e amor colhe mais amor e felicidade!